Quem quer comprar educação? Precinho de ocasião…

Qual é o verdadeiro propósito de uma escola? Escola para pais ou para alunos? Instalações desapropriadas para as crianças, belas filosofias que estão muito longe da prática diária, mas que enchem os olhos dos pais estão realmente adequadas às necessidades dos alunos? Saibam: escola é para crianças! È um espaço criado que imita a vida, um espaço seguro, confortável, amoroso, que inicia a vida social dos pequenos, que mostra as possibilidades do mundo, que os ensina a pensar, a refletir, a saber escolher o que é melhor para eles, a respeitar o próximo, ao zelo com seus materiais, ao mundo das letras e números entre tantas outras coisas.

As escolas, por outro lado, deveriam defender, ou melhor, acreditar nos seus ideais e saber que isso é algo nobre e louvável. Bancar propostas e atitudes não é tirania, mas sim enfrentar os questionamentos de pais extremamente inseguros e perdidos sobre como conduzir a educação e futuro dos seus filhos; é ter embasamento teórico e prático no momento que surge dúvida e não ficar a todo o momento mudando as regras do jogo no meio da partida, não porque houve uma reflexão sobre a questão e a mudança foi a melhor escolha, mas por causa de reclamações de pais, sem fundamento pedagógico e que, por sua vez, as mantenedoras traem seus ideais por causa de evasão escolar…

“O homem não pode tornar-se um verdadeiro homem senão pela educação. Ele é aquilo que a educação dele faz.” (KANT, 1996, p. 15). Educar não é simplesmente realizar as intermináveis vontades do seu filho, mas chamar, inúmeras vezes, sua atenção sobre algo que já lhe foi dito, é ensinar-lhe boas maneiras e hábitos, o respeito ao próximo, ou seja, apresentar ao seu filho o mundo dos homens civilizados, cultos – homens de bem, com consciência ecológica e ávido por descobrir o mundo e saber que o universo é o seu limite. “Nascemos humanos, mas isso não basta: temos também que chegar a sê-lo”. (SAVATER, 1998, p. 29).

Quanta beleza que existe no ato de educar e que, infelizmente instituições ditas educacionais se corrompem por algumas moedas. Saibam: a formação do (futuro) homem na escola não se dá por ceder, recuar ou avançar de acordo com as queixas e solicitações dos pais; eles não são a bússola que direciona e aponta os caminhos do educar. Educar é também dar norte e sentindo na vida desses órfãos.

Cintia Auilo

Anúncios

Praticar esporte é um hábito

Não dá para falar sobre criança sem falar sobre esporte. Praticar esporte desde cedo é importantíssimo para a saúde, convivência, sociabilização, autoconfiança entre outros. Só há benefícios e vantagens de incluir na rotina semanal do seu filho um esporte. Se, desde pequena, a criança tem o hábito de praticar alguma atividade física, muito provavelmente quando adulta ela irá dar continuidade em se exercitar de alguma forma. Para que isso ocorra, os pais devem valorizar a natação, o ballet, o judô, a atividade que for, por meio de incentivo, interesse em saber como vão as aulas, o que tem aprendido, além de prestigiá-la nas apresentações. Além disso, se praticar algum esporte coletivo como, por exemplo, basquete ou vôlei, ela irá aprender lições fundamentais sobre trabalho em equipe, limites e diferenças, ganhar e perder. O espírito equilibrado competitivo que se desenvolve na prática desses esportes trarão boas e saudáveis contribuições para o futuro do infante, nesse mundo corporativo e de mercado diverso.

Cintia Auilo

O aprendizado das lições ocultas

Não basta ter domínio de conteúdo ou boa didática e estratégias para ser professor. Muito antes disso, existe uma pessoa bem na frente dos estudantes que é a pessoa-professor, ou seja, aquilo que ele é enquanto indivíduo, seus valores, opiniões, modo de ser, agir e expressar-se. O aluno não abstrai isoladamente aquilo que o docente ensina, mas absorve, quase que de modo instintivo, o todo – o conteúdo e aquilo que o seu mestre é. Portanto é fundamental que o professor esteja muito alerta em suas crenças, posturas e atitudes, não só para o seu proveito pessoal, mas para ser coerente com suas idéias e principalmente, honrar sua fidelidade à clientela. (O aprendizado das lições ocultas)

Cintia Auilo

Cinema Paradiso

O filme aborda uma grande verdade que ocorre na relação professor/aluno – a mútua aprendizagem.  Não só o quanto o menino, interessado por cinema e projeção de filme, aprende com o protagonista “Alfredo” como o projetista aprende com o garoto, tornando-se figura importante até o fim dos seus dias.

Cintia Auilo

O que você quer ser?

Diante da mudança do papel da mulher na sociedade, o que ocorreu foi o acúmulo de cargos, pois já há algum tempo que a mulher tem de se desdobrar em várias: a profissional, a esposa, a mãe. E como desafiar o tempo nessa jornada diária, que a solicita por todos os lados, e muitas vezes, ao mesmo tempo? E todo esse cenário maluco pede com que a supermulher esteja muito bem arrumada, de unhas e cabelos feitos, além de superar seus hormônios mensais que nada mais são do que detalhes ou exageros, no olhar masculino.

Façam suas escolhas independente daquilo que a sociedade, que o meio ou que as cobranças internas exigem, e confiem naquela que busca, acima de tudo, a felicidade, o bem estar pessoal, pois não haverá uma boa profissional, mãe ou esposa se não estiver realizada com a opção de vida que escolheu, por livre e espontânea vontade. (O desequilíbrio entre trabalho e maternidade)

Cintia Auilo

Mulher ao Espelho

Hoje, que seja esta ou aquela,
pouco me importa.
Quero apenas parecer bela,
pois, seja qual for, estou morta.
Já fui loura, já fui morena,
já fui Margarida e Beatriz,
Já fui Maria e Madalena.
Só não pude ser como quis.
Que mal fez, essa cor fingida
do meu cabelo, e do meu rosto,
se é tudo tinta: o mundo, a vida,
o contentamento, o desgosto?
Por fora, serei como queira,
a moda, que vai me matando.
Que me levem pele e caveira
ao nada, não me importa quando.
Mas quem viu, tão dilacerados,
olhos, braços e sonhos seus,
e morreu pelos seus pecados,
falará com Deus.
Falará, coberta de luzes,
do alto penteado ao rubro artelho.
Porque uns expiram sobre cruzes,
outros, buscando-se no espelho.

Cecília Meireles

A Língua das Mariposas

O filme resgata a importância do papel do professor na vida da criança, principalmente nos primeiros dias de aula na vida do pequeno.

Cintia Auilo

Muito Além do Jardim

O filme retrata a personalidade de um homem que, de uma certa forma, não manteve contato com a realidade externa do mundo, com a sociedade. Seu único elo com a realidade se dava por meio da televisão. Porém, mesmo diante de tanta alienação, o personagem que Peter Sellers representa mantém a pureza e a ingenuidade que se contrapõe ao mundo interesseiro e manipulador. Ele nos faz refletir sobre a relação entre sociedade e meio, entre valores essenciais e interesses fúteis e efêmeros do mundo.

Cintia Auilo

A Vida é Bela

O filme mostra como a criança vê e interage com o mundo; sua pureza e inocência em reconhecer um mundo belo, mesmo na guerra.

Cintia Auilo

Criança em fuga

A criança não pode levar uma vida normal no mundo complicado dos adultos. Todavia é evidente que o adulto, com a vigilância contínua, com as admoestações ininterruptas, com suas ordens arbitrárias, perturba e impede o desenvolvimento da criança. Dessa forma, todas as forças positivas que estão prestes a germinar são sufocadas; e a criança só conta com uma coisa: o desejo intenso de livrar-se, o mais rápido que lhe for possível, de tudo e de todos. (Maria Montessori)

« Older entries